SAÚDE DIVULGA INFORME EPIDEMIOLÓGICO DA FEBRE AMARELA

Em 2018, foram registrados 262 casos da doença no estado

 

A Subsecretaria de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde do RJ informa que em 2018 foram registrados 262 casos de febre amarela silvestre em humanos, sendo 84 óbitos:

 

– 23 casos – Teresópolis, sendo oito óbitos
– 40 casos – Valença, sendo seis óbitos
– 16 casos – Nova Friburgo, sendo cinco óbitos
– 2 casos – Petrópolis, sendo um óbito
– 5 casos – Miguel Pereira, sendo dois óbitos
– 14 casos – Duas Barras, sendo dois óbitos
– 4 casos – Rio das Flores, sendo um óbito**
– 5 casos – Vassouras, sendo três óbitos
– 12 casos – Sumidouro, sendo cinco óbitos
– 7 casos – Cantagalo, sendo quatro óbitos
– 1 caso – Paraíba do Sul, sendo um óbito
– 2 casos – Carmo, sendo um óbito
– 2 casos – Maricá, sendo um óbito
– 56 casos – Angra dos Reis, sendo 15 óbitos
– 4 casos – Paty do Alferes, sendo dois óbitos
– 6 casos – Engenheiro Paulo de Frontin, sendo três óbitos
– 1 caso – Mangaratiba **
– 3 casos – Piraí, sendo um óbito
– 3 casos – Cachoeiras de Macacu, sendo um óbito
– 4 casos – Trajano de Moraes, sendo três óbitos
– 6 casos – Rio Claro, sendo três óbitos **
– 5 casos – Silva Jardim, sendo dois óbitos
– 1 caso – Bom Jardim
– 11 casos – Barra do Piraí, sendo três óbitos
– 2 casos – Sapucaia, sendo dois óbitos
– 10 casos – Paraty, sendo três óbitos
– 1 caso – Pinheiral
– 5 casos – Itatiaia
– 6 casos – Resende, sendo três óbitos
– 1 caso – Guapimirim
– 2 casos – Três Rios, sendo um óbito
– 2 casos – Rio Bonito, sendo dois óbitos
Número de localidades com casos confirmados de febre amarela em macacos: 13
– Niterói
– Angra dos Reis (Ilha Grande)
– Barra Mansa
– Valença
– Miguel Pereira
– Volta Redonda
-Duas Barras
– Paraty
– Engenheiro Paulo de Frontin
– Araruama
– Petrópolis
– Itatiaia
– Sumidouro
 

*A SES ressalta que os macacos não são responsáveis pela transmissão da febre amarela. A doença é transmitida através da picada de mosquitos.
Ao encontrar macacos mortos ou doentes (animal que apresenta comportamento anormal, que está afastado do grupo, com movimentos lentos etc.), o cidadão deve informar o mais rápido possível às secretarias de Saúde do município ou do estado do RJ.
*A Secretaria reforça a importância das pessoas que ainda não se vacinaram buscarem um posto de saúde próximo de casa para serem imunizadas.
*O boletim leva em consideração o Local de Provável Infecção (LPI).
** LPI atualizado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s