‘PROTEGENDO FUTURO’ DE BELFORD ROXO GANHA PRÊMIO DE MELHOR PROJETO EM BRASÍLIA

Reconhecimento partiu da Secretaria Nacional de Direitos Humanos

O Projeto Protegendo o Futuro apresentado pela Prefeitura de Belford Roxo foi premiado em Brasília, na semana passada, pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos, como o melhor projeto: Prêmio Direitos Humanos 2018, com direito a troféu e certificado. Criado em 2017, através da Secretaria Executiva de Direitos Humanos, que anteriormente ara ligada à Secretaria de Assistência Social e Cidadania (Semasc), o plano defendeu a prevenção de desaparecimento de crianças e adolescentes como forma de segurança. A medida teve início nas escolas da rede municipal,  oferecendo carteira de identidade com CPF para menores.

Belford Roxo largou na frente com a iniciativa, tornando-se a primeira cidade do país a promover a identificação biométrica em meninos e meninas do município. O mérito foi comemorado por toda equipe da nova Secretaria Municipal de Direitos Humanos. “Concorremos com mais de cinco mil cidades e vencemos como o melhor projeto na categoria de criança e adolescente. Antes tivemos o reconhecimento do Ministério Público e agora da Secretaria Nacional. Estamos muito felizes”, disse a secretária adjunta, Alessandra Batista.

Dados preocuparam

 

Na época de sua elaboração, dados exibidos pela Coordenadoria do Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos do MP (Plid) garantiram que dos 500 menores que desapareciam mensalmente no Estado do Rio de Janeiro, 140 eram do município. “A estatística deixou a então secretária de Assistência Social e Cidadania, Daniela Carneiro, hoje deputada federal eleita, assustada. Ela reuniu a equipe e sugeriu a criação de um projeto imediato que pudesse combater aqueles dados e assim surgiu o projeto”, lembrou Alessandra.

2- direitos humanos (1)

O secretário de Direitos Humanos, Carlos Caneco, disse que o prêmio é um privilégio para a cidade. “O reconhecimento é uma motivação a mais. Vamos continuar empenhados em desenvolver outros projetos interessantes, não só para crianças e adolescentes, pois direitos humanos tem que contemplar todos e assim faremos”, assegurou. Caneco e Alessandra destacaram que o projeto Casa Família, em fase de elaboração, também terá um significado social amplo. Previsto para entrar em ação a partir de 2019, terá um cunho de conciliação com parceria do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s