PARTIDOS INDICAM INTEGRANTES DE COMISSÃO DE IMPEACHMENT DE PEZÃO

Dezoito partidos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) indicaram os nomes dos deputados que vão compor a comissão especial para emitir parecer sobre a denúncia por crime de responsabilidade contra o governador Luiz Fernando Pezão e o vice, Francisco Dornelles. A lista foi divulgada no Diário Oficial do estado desta terça-feira (11). No total, segundo a assessoria da Alerj, são 22 partidos, que têm até a meia-noite para indicar seus representantes.

A partir de agora, os deputados têm mais 48 horas para se reunir e, em seguida, dez dias para emitir um relatório favorável ou contrário à admissão da denúncia, encaminhando-o para votação ao Plenário. Se a denúncia for admitida pelos deputados, será concedido prazo para que Pezão e Dornelles apresentem suas defesas.

A Comissão Especial deverá analisar a argumentação da defesa e emitir um novo relatório, dessa vez se posicionando sobre a procedência ou improcedência da denúncia. Esse relatório também será apreciado pelo plenário. Se a denúncia for considerada procedente por dois terços dos parlamentares, será formado um tribunal misto para o julgamento definitivo das alegações do PSOL.

Nesse caso, a Alerj deverá eleger cinco deputados que se juntarão a cinco desembargadores sorteados. Eles se reunirão em sessão presidida pelo presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), a quem caberia um eventual voto de desempate.

A lista com os 18 indicados no Diário Oficial é a seguinte: Comte Bitencourt, PPS; Flávio Serafini, PSOL; Bruno Dauaire, PRP; Figueiredo, PV; Márcio Pacheco, PSC; Dr. Julianelli, PSB; Filipe Soares, DEM; Silas Bento, PSL; Martha Rocha, PDT; Luiz Paulo, PSDB; Tio Carlos, SD; Nivaldo Mulim, PR; Dionísio Lins, PP; Enfermeira Rejane, PCdoB; Gilberto Palmares, PT; Benedito Alves, PRB; Gustavo Tutuca, MDB; e Zaqueu Teixeira, PSD.

O pedido de impeachment, apresentado pelo PSOL, lista diversas práticas que são denunciadas como crime de responsabilidade. Entre elas, estão o descumprimento de decisões judiciais, a não aplicação do mínimo constitucional na área de saúde, e crimes contra a guarda e o emprego do dinheiro público na conservação do patrimônio do Rioprevidência, um fundo de previdência dos servidores estaduais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s