EM AÇÃO INÉDITA, UM ÚNICO DOADOR SALVOU OITO VIDAS

Captação foi realizada no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes

O Programa Estadual de Transplantes (PET) foi responsável por uma ação inédita no Rio de Janeiro, órgãos de uma única pessoa salvaram oito vidas que esperavam doação. A captação, realizada no último dia 15 de março, no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, incluiu os dois pulmões, os dois rins, coração, fígado, pâncreas e ainda, as duas córneas, ossos e pele.

 

– Tivemos 65 pessoas envolvidas neste transplante. Entre um dos desafios está a corrida contra o tempo porque, por exemplo, o período máximo que um coração resiste são quatro horas. Temos uma parceria com o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil, que disponibiliza um helicóptero para a central de transplantes do estado para o transporte desses órgãos – contou o coordenador do PET, Gabriel Teixeira.

 

Em 2018, o Rio de Janeiro alcançou outra marca história: foram 23 transplantes de coração. Se comparado com o ano anterior, quando foram registradas 12 doações do órgão, o aumento foi de quase 90%. Ao todo, foram 1.656 transplantes de órgãos no ano passado, o maior número do estado – 723 órgãos sólidos e 933 transplantes de córnea.

 

– Desde quando o Programa Estadual de Transplantes (PET) foi remodelado, estamos conseguindo aumentar o número de transplantes de órgãos a cada ano. Em 2009 eram quatro doadores para um milhão de pessoas. Agora, trabalhamos com 261 doadores para um milhão de pessoas. Isso é fruto de uma maior conscientização das pessoas para a importância da doação de órgãos, além do aprimoramento do sistema de transplantes no Rio de Janeiro – lembrou Gabriel.

 

Um dos diferenciais do Programa Estadual de Transplantes, de acordo com o Gabriel, é o trabalho de acolhimento feito pelas equipes do PET com a família que acaba de ter a notícia sobre a morte do familiar.

 

– Sabemos que a família recebe muitas informações quando é atestada a morte encefálica. Para processá-las ao mesmo tempo é um desafio para os parentes. Por isso, a equipe de acolhimento, que é capacitada e treinada, tem uma função importante neste processo. É comprovado que a taxa de aceitação para a doação aumenta quando é feita uma abordagem humanizada, respeitando o luto da família – explicou o coordenador.

 

Projeto Doe + Vida

 

Com a finalidade de levar conhecimento e promover cada vez mais conscientização sobre a doação de órgãos, o PET criou o projeto “Doe + Vida”. Palestras em escolas, empresas e instituições são realizadas para que as pessoas tenham um contato prévio com o assunto para evitar que só ouçam falar sobre transplante na hora do falecimento de algum familiar.

 

Seja um doador

 

Para ser doador de órgãos, não é preciso nenhum registro e qualquer pessoa, a princípio, pode se tornar um. Basta informar aos familiares este desejo. A legislação brasileira permite que somente a família autorize a doação de órgãos e tecidos. Após a constatação da morte encefálica, uma avaliação criteriosa é feita para definir quais órgãos e tecidos estão viáveis para doação. Os receptores estão organizados por órgãos, tipos sanguíneos e outras especificações técnicas e fazem parte de uma lista nacional única. Esta listagem apresenta uma ordem cronológica de inscrição, onde receptores são selecionados nessa ordem, em função da gravidade ou compatibilidade sanguínea e genética com o doador. Dados do Programa Estadual de Transplantes apontam que cerca de 600 pessoas aguardam na fila por um órgão no Rio de Janeiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s